sexta-feira, 13 de março de 2009

Rio lança Escolas do Amanhã com aulas em tempo integral


O prefeito Eduardo Paes e a secretária municipal de Educação, Cláudia Costin, lançam o projeto Escolas do Amanhã, que transformará a realidade de 150 escolas do ensino fundamental localizadas em áreas conflagradas da cidade.
O programa, que conta com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), compreende uma série de medidas com os objetivos de qualificar o ensino nessas unidades em áreas de risco, afastar os jovens da criminalidade e integrar também cultura e esportes.
Entre as novidades o destaque é para a educação em período integral em 150 unidades e bônus para os professores dessas escolas. Ainda estão previstos um inovador programa de Ciências para todas as séries, a formação de 150 educadores comunitários e um curso de mediação de conflitos para os diretores dos colégios.
O colégio escolhido para o lançamento do projeto - o Ciep Zumbi dos Palmares - fica em Coelho Neto, um dos 22 bairros da Zona Norte onde acontecem as ações da "Prefeitura Itinerante".
(Agência Rio de Notícias)

3 comentários:

lucia disse...

Uma iniciativa excelente para o começo de uma nova era escolar

É de projetos assim que as crianças e os jovens estão necessitando
Uma educação que realmente leve nossos filhos e alunos a adquirirem conhecimento para sua formação cidadã.

mimosa braga disse...

Em 1985 com o começo dos CIEPs no RJ o Sr.Brizola e Darcy Ribeiro lançaram também a escola em tempo integral com várias atividades de esporte ,cultura e reforço escolar mas infelizmente devido a falta de pessoal este belo projeto não foi avante.Espero que o Prefeito Eduardo Paes e a Senhora Secretaria consigam realizar "O Projeto Escola do Amanhã " que se parece muito com o antigo projeto dos CIEPs e que tudo dê certo.

smartins3 disse...

Seria mais interessante ainda se a comunidade escolar tivesse sido escutada com suas demandas, minimamente, consideradas.
A complexidade é imensa. Há que se buscar, entre vários aspectos, muito apoio psicológico para atender não só alunos e seus responsáveis como os próprios profissionais que lidam com o clima tenso e cotidiano de uma escola periférica.
Capacitar os profissionais a repensar suas práticas educacionais estimulando os doscentes a refletir e também questionar as estruturas.
Sandra